Get Adobe Flash player
Terça, 26 Dezembro 2017 01:11

Transplantados cardíacos celebram o Natal no IDC e fazem um brinde à vida

Francisco Sebastião de Lima, o 2º mais longevo transplantado cardíaco do Brasil, comandou a festa

Com José Wanderley ao centro, transplantados cardíacos fizeram um brinde à vida durante comemoração natalina

O Instituto de Doenças do Coração (IDC) reuniu, na sexta-feira (22), doze transplantados cardíacos para uma confraternização natalina e brindar à vida. Entre eles estava Francisco Sebastião de Lima, o segundo mais longevo transplantado cardíaco do Brasil.

O cirurgião cardíaco José Wanderley Neto comemorou as presenças dos seus pacientes. Foi ele e sua equipe os responsáveis pelos 41 transplantes desde o de Francisco de Lima, em março de 1989. Estão vivos 16 transplantados, sendo que dois deles residem atualmente na Bahia.

Dois não puderam participar da comemoração natalina: um, que residem em São Luiz do Quitunde, não conseguiu condução para Maceió; o outro passou por transplante há poucos dias e ainda está internado no hospital em recuperação.

- Ficamos felizes em constatarmos que todos esses nossos pacientes estão muito bem, levando uma vida normal – disse José Wanderley. Segundo ele, o quadro de saúde desse último transplantado “é excelente”.

Sebastião Francisco de Lima, que em 1989 ganhou novo coração, posa ao lado de José Wanderley Neto

Este ano José Wanderley e sua equipe contabilizam seis transplantes cardíacos. Embora pareça pouco, houve ano em que Alagoas não fez nenhum, por falta de decisão política dos governantes.

A coordenadora da Central de Transplantes de Alagoas, Daniela Ramos – que também participou da comemoração natalina no IDC – disse que a expectativa era de atingir seis transplantes de coração este ano, mas o número alcançado é excelente e merece ser comemorado. “E é bom lembrar que 2017 ainda não terminou...” – disse ainda.

Um dos grandes obstáculos para realização de transplante cardíaco é a doação do órgão, que precisa ser autorizada pela família. Casos de recusa ainda são a maioria. Quando doado, o órgão precisa também ser compatível com o receptor.

Participaram ainda da comemoração natalina toda a equipe médica do IDC, representantes da Secretaria de Estado da Saúde e familiares dos transplantados. E antes de partir o bolo, um brinde reuniu todos os pacientes e José Wanderley para registrar na história alagoana o momento de emoção afirmação médica.

 

 

 

 

Última modificação em Terça, 26 Dezembro 2017 01:53

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Veja Também